Além do Gênero

Tag: mulher

Sexo Oposto.

O Fantástico exibe um quadro que mostra as diferenças entre o homem e a mulher.

“Fernanda Torres e Evandro Mesquita mostram com muito humor as diferenças entre o homem e a mulher.”

No Site da Globo pode-se ver os episódios.

Anúncios

Papai Noel.

pai-natal.jpg

Feministas.

formas.jpg

Feminista, substantivo, 2 gêneros, pessoa que acredita na igualdade de direitos entre as mulheres e os homens.

Ao contrário do que se pensa e se diz por aí, para ser feminista não é necessário ter vagina, odiar decotes ou sutiãs, odiar maquiar-se ou fazer depilação, odiar os homens, odiar a beleza (feminina ou masculina), odiar o sexo.

Basta acreditar que mulheres e homens merecem igual respeito, credibilidade, poder, espaço e que ninguém, mulher ou homem, deve ver as suas escolhas e oportunidades condicionadas por causa do seu sexo. As pessoas que acreditam nisto e que o praticam na sua vida cotidiana são de todas as formas e feitios. E ainda bem…

Produtora da música ‘Um Tapinha Não Dói’ é multada.

“Produtora da música ‘Um Tapinha Não Dói’ é multada.
25/03 – 20:56 – Agência Estado

A Justiça Federal de Porto Alegre condenou a empresa Furação 2000 Produções Artísticas ao pagamento de multa de R$ 500 mil pelo lançamento da música Um Tapinha Não Dói , por entender que a letra banaliza a violência e estimula a sociedade a inferiorizar a mulher. A decisão foi tomada pelo juiz federal substituto Adriano Vitalino dos Santos, da 7ª Vara Federal, e pode ser contestada em instâncias superiores.
A ação foi movida há sete anos pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela organização não-governamental (ONG) Themis Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero, que alegaram que a letra justifica a violência masculina a partir do comportamento sexual da mulher. Sustentaram ainda que a liberdade de expressão não é direito absoluto e tem limitações reconhecidas pela Constituição em face do princípio da dignidade. O juiz entendeu que houve dano moral difuso à mulher e estabeleceu a multa, que deverá ser revertida ao Fundo Federal de Defesa dos Direitos.”

Fonte: Último Segundo.

Violência de Gênero e Saúde da Mulher.

“O gênero – construção social e histórica – é determinante dos padrões de relacionamento entre homens e mulheres, e assim, pode-se invocá-lo como fator determinante do processo de adoecimento e morte da população masculina e feminina.

As causas externas, ou seja acidentes e violências, estão entre as principais causas de morte da população jovem masculina. Embora sem esquecer outros fatores sociais, econômicos e políticos, já existem estudos demonstrando que os padrões de masculinidade – que valorizam a agressividade, a competitividade e a negação das emoções – levam os homens, desde a infância a adotarem comportamentos de maior risco do que as mulheres. Eles dirigem em maior velocidade e com mais ousadia, transformando-se nas principais vítimas das mortes por acidente de trânsito. A maior parte dos homicídios ocorre na população masculina. E se é menor a freqüência de suicídio entre homens do que entre mulheres, eles escolhem métodos mais agressivos e raramente saem com vida de uma tentativa deste tipo.

Analisando-se as estatísticas por mortes violentas percebe-se que as mulheres correspondem a uma parcela significativamente inferior à população masculina. Não é portanto, em termos de mortalidade que a violência contra a mulher se expressa nas estatísticas de saúde-doença, embora, deva-se ressaltar que entre os homicídios que atingem a população feminina, em torno de 70% a 80% os companheiros são os autores do crime.

A violência contra a mulher tem outra feição, na maioria das vezes o episódio agudo e mais grave da violência é o fim de linha de uma situação crônica, insidiosa, que aos poucos foi desmontando as defesas das vítimas até deixá-la completamente à mercê do agressor, sem condições até de pedir ajuda.
A violência nas relações de casal, nas relações afetivas, íntimas, no interior das famílias, expressa dinâmicas de afeto/poder, nas quais estão presentes relações de subordinação e dominação. E no contexto atual, na maioria das vezes, a mulher ainda está em posição desfavorável.

Na íntegra, aqui.

Aborto.

aborto.gif

Mulher no mercado de trabalho.

Mulher de Hoje: a luta por um lugar no mercado de trabalho.

Quarta-feira, 12/03/2008
Se trabalhassem só em casa, 65% das mulheres brasileiras não se sentiriam realizadas. Uma gerente de marketing conta que a carreira é sua prioridade em detrimento da família.

Violência doméstica.

domestic_violence.gif

Violência contra à mulher.

Mulheres, JAMAIS aceitem esse tipo de situação, não se submetam a isso, ninguém PRECISA de um companheiro que a faça sofrer, que diz espancar por “amor”, por “amar demais”, por… Tantos “por”… NADA justifica. Não perdoem ou acreditem em frases como “foi só uma vez”, “não vai mais acontecer”, “não sei onde eu estava com a cabeça”, “eu te amo”.. Quem ama cuida, dá beijo, abraço, flores e não pancada, chute, sufoca, ameaça, xinga.. Mostre que você também gosta de respeito e tenha CORAGEM! Coragem pra fazer o certo. Coragem pra dizer basta. Coragem pra ser feliz.

DENUNCIE: Disque 180!

A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 – funciona 24 horas por dia, de segunda à domingo, inclusive feriados. A ligação é gratuita e o atendimento é de âmbito nacional.

Encontre aqui uma relação de serviços de atendimento específicos para a Mulher em seu estado. São serviços prestados pelo governo federal, pelos governos estaduais e municipais, além de diversas outras instituições da sociedade civil.

Como já dizia Gabriel “O Pensador”: “Não adianta olhar pro céu com muita fé e pouca luta/Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer e muita greve/Você pode e você deve, pode crer/Não adianta olhar pro chão, virar a cara pra não ver/Se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus sofreu/Não quer dizer que você tenha que sofrer.

Até quando você vai ficar usando rédea/Rindo da própria tragédia?/Até quando você vai levar cascudo mudo?/Muda, muda essa postura/Até quando você vai ficando mudo?/Muda que o medo é um modo de fazer censura.

Até quando você vai levando porrada, porrada?/Até quando vai ficar sem fazer nada?/Até quando vai ser saco de pancada?.

Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente/A gente muda o mundo na mudança da mente/E quando a mente muda a gente anda pra frente/E quando a gente manda ninguém manda na gente/Na mudança de atitude não há mal que não se mude nem doença sem cura/Na mudança de postura a gente fica mais seguro/Na mudança do presente a gente molda o futuro”

Brasileiro preso no Japão mantinha corpo de mulher em congelador.

“Brasileiro preso no Japão mantinha corpo de mulher em congelador. (hein?!?!?!)

TÓQUIO (AFP) — A polícia japonesa prendeu um cidadão brasileiro depois de encontrar o corpo de uma mulher no congelador de seu apartamento, informa a imprensa local.

Giovani Mikio Claudino, de 35 anos, foi detido na quinta-feira à noite na cidade de Numazu (centro do Japão), acusado de ter abandonado um cadáver, segundo a agência Jiji Press.

A polícia investiga agora se o brasileiro matou a mulher, que tem idade por volta dos 40 anos e era uma conhecida de Claudino.

Os policiais entraram no apartamento depois que vários vizinhos afirmaram que uma mulher, que não é japonesa, que visitava Giovani, não era vista desde o fim de fevereiro, depois que os moradores próximos ouviram gritos procedentes do apartamento.

Giovani chegou ao Japão há 15 anos e morava sozinho desde que sua família retornou ao Brasil. Aparentemente estava desempregado.

Segundo alguns meios de comunicação, a polícia também prendeu outro brasileiro, que havia trabalhado com Giovani, suspeito de ter levado o carro da vítima para um desmanche para destruir as provas.

A polícia de Numazu se recusou a fazer comentários sobre o caso.”

Tsc, tsc..

Fonte: afp.google.com