Além do Gênero

Mês: abril, 2008

Papai Noel.

pai-natal.jpg

Feministas.

formas.jpg

Feminista, substantivo, 2 gêneros, pessoa que acredita na igualdade de direitos entre as mulheres e os homens.

Ao contrário do que se pensa e se diz por aí, para ser feminista não é necessário ter vagina, odiar decotes ou sutiãs, odiar maquiar-se ou fazer depilação, odiar os homens, odiar a beleza (feminina ou masculina), odiar o sexo.

Basta acreditar que mulheres e homens merecem igual respeito, credibilidade, poder, espaço e que ninguém, mulher ou homem, deve ver as suas escolhas e oportunidades condicionadas por causa do seu sexo. As pessoas que acreditam nisto e que o praticam na sua vida cotidiana são de todas as formas e feitios. E ainda bem…

Produtora da música ‘Um Tapinha Não Dói’ é multada.

“Produtora da música ‘Um Tapinha Não Dói’ é multada.
25/03 – 20:56 – Agência Estado

A Justiça Federal de Porto Alegre condenou a empresa Furação 2000 Produções Artísticas ao pagamento de multa de R$ 500 mil pelo lançamento da música Um Tapinha Não Dói , por entender que a letra banaliza a violência e estimula a sociedade a inferiorizar a mulher. A decisão foi tomada pelo juiz federal substituto Adriano Vitalino dos Santos, da 7ª Vara Federal, e pode ser contestada em instâncias superiores.
A ação foi movida há sete anos pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela organização não-governamental (ONG) Themis Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero, que alegaram que a letra justifica a violência masculina a partir do comportamento sexual da mulher. Sustentaram ainda que a liberdade de expressão não é direito absoluto e tem limitações reconhecidas pela Constituição em face do princípio da dignidade. O juiz entendeu que houve dano moral difuso à mulher e estabeleceu a multa, que deverá ser revertida ao Fundo Federal de Defesa dos Direitos.”

Fonte: Último Segundo.

Homem inflável.

buddy-inflating-final_upl0.jpg

“De acordo com a  Reuters, uma seguradora automóvel britânica – Sheilas’ Wheels – lançou recentemente um novo “gadget” destinado às mulheres que não se sentem seguras quando conduzem sozinhas à noite: um homem inflável, cujo objetivo é dar a entender que a condutora está acompanhada.

“According to research by the inflatable friend’s creator, insurer Sheilas’ Wheels, 82 percent of women feel safer with someone sitting in the car beside them and nearly a half don’t like driving alone in the dark.””

Se funcionará, não sei. 71% das 500 mulheres inquiridas pela companhia de seguros já foram assediadas ou intimidadas quando viajavam de carro sozinhas.

Violência de Gênero e Saúde da Mulher.

“O gênero – construção social e histórica – é determinante dos padrões de relacionamento entre homens e mulheres, e assim, pode-se invocá-lo como fator determinante do processo de adoecimento e morte da população masculina e feminina.

As causas externas, ou seja acidentes e violências, estão entre as principais causas de morte da população jovem masculina. Embora sem esquecer outros fatores sociais, econômicos e políticos, já existem estudos demonstrando que os padrões de masculinidade – que valorizam a agressividade, a competitividade e a negação das emoções – levam os homens, desde a infância a adotarem comportamentos de maior risco do que as mulheres. Eles dirigem em maior velocidade e com mais ousadia, transformando-se nas principais vítimas das mortes por acidente de trânsito. A maior parte dos homicídios ocorre na população masculina. E se é menor a freqüência de suicídio entre homens do que entre mulheres, eles escolhem métodos mais agressivos e raramente saem com vida de uma tentativa deste tipo.

Analisando-se as estatísticas por mortes violentas percebe-se que as mulheres correspondem a uma parcela significativamente inferior à população masculina. Não é portanto, em termos de mortalidade que a violência contra a mulher se expressa nas estatísticas de saúde-doença, embora, deva-se ressaltar que entre os homicídios que atingem a população feminina, em torno de 70% a 80% os companheiros são os autores do crime.

A violência contra a mulher tem outra feição, na maioria das vezes o episódio agudo e mais grave da violência é o fim de linha de uma situação crônica, insidiosa, que aos poucos foi desmontando as defesas das vítimas até deixá-la completamente à mercê do agressor, sem condições até de pedir ajuda.
A violência nas relações de casal, nas relações afetivas, íntimas, no interior das famílias, expressa dinâmicas de afeto/poder, nas quais estão presentes relações de subordinação e dominação. E no contexto atual, na maioria das vezes, a mulher ainda está em posição desfavorável.

Na íntegra, aqui.